Desde pequenos somos ensinados. Aprendemos a comer, nos vestir, andar e falar. A verdade é que nessa vida ninguém cresce sozinho, precisamos um do outro para tornar-nos melhores afinal, é preciso evoluir.

Ainda me lembro da minha primeira professora – minha mãe. Sim, a profissão dela é professora e além de me educar, também ajudou na minha alfabetização. Pude acompanhar os bastidores de uma alfabetizadora e devo reconhecer: os verdadeiros heróis não estão nos quadrinhos, mas dentro das salas de aula.

Não bastou o magistério, a faculdade e o aprendizado diário nas escolas. Minha rainha ainda fazia cursos de sábado, passava o domingo estudando pensadores para avaliar com amor todos os alunos. Ela sempre diz: cada caso, é um caso diferente e deve ser avaliado individualmente. Já imaginaram avaliar 40 cabeças criadas em 40 lares, culturas e educações diferentes sobre o angulo de português, matemática, ciências, historia e geografia? Eu enlouqueceria.

Eles rebolam nas escolas! Ensinam a ler sem livros, a escrever sem papel e a pintar sem tinta. As escolas são precárias, a educação está em declínio mas a dedicação deles está sempre no ápice.

Ganhamos nosso melhor amigo desde cedo, porem, quase nunca reconhecemos isso. Eles nos dão broncas, reclamam de nossos comportamentos, ensinam coisas que achamos que nunca vamos usar e tudo isso com um objetivo: nos preparar para a vida.

Ser professor é exercer um dom. Todos são capazes de passar uma informação, mas persuadir um ser humano e transformar a vida dele pelo conhecimento é algo extraordinário.

Quantas vezes não sabemos lidar com nós mesmos? enquanto eles lidão com várias vidas todos os dias, estando bem ou não. Abrem mão do lazer, tiram do próprio salário para ajudar os alunos, dedicam a vida ao futuro da nação e de quebra, tem os erros reconhecidos e os grandes feitos ignorados.

Hoje venho desejar um feliz Dia dos Professores a todos os alfabetizadores, que mesmo sendo confundidos com os educadores (função dos pais e não da escola), ganhando pouco, sendo afrontados e pouco reconhecidos, ainda assim, continuam lutando e tendo esperanças que um dia esse país será melhor.

Beijos.

Juliana Torres

Compartilhe