Agradar as pessoas nunca foi uma tarefa fácil e quado voltamos isso para os clientes de uma organização, a responsabilidade é ainda maior. Para atender as necessidades do mercado é preciso inovar. Criar produtos diferenciados, econômicos, de qualidade cada vez maior, que atendam as necessidades dos consumidores e preservem o que temos de melhor: o meio ambiente.

Infelizmente, nem sempre foi assim. Com a expansão das industrias e a preocupação em atender as demandas existentes, as organizações causaram uma devastação ambiental. Foram rios poluídos, lençóis freáticos contaminados, florestas devastadas, sem contar na fauna e floral extinta – algumas especies que não chegaram a ser conhecidas.

Para que as empresas mantenham-se competitivas no mundo dos negócios é necessário que possuam politicas ambientais que ajudem a reconstruir o que já foi devastado, além da preocupação em não poluir, desmatar ou agredir a natureza em qualquer instancia.

Uma estratégia muito eficaz é fazer uso de embalagens recicláveis, beneficiando não só o meio ambiente, mas auxiliando também na economia local, dando a oportunidade de reaproveitamento de recursos, atingindo assim, um novo publico consumidor – não apenas pelo reuso, mas também pelo fato desse tipo de embalagem ser econômica.

As politicas surgem nas organizações a partir da auto-regulação, que nada mais é do que uma ação das instituições para reparar e prevenir danos causados a natureza. Isso pode ser obtido através de acordos entre empresas, instituições, governos, clientes e fornecedores; criando regras e padrões produtivos, monitoração, metas de redução de poluição, reuso de recursos (como água, por exemplo), dentre outras ações. Algumas empresas ainda promovem campanhas ambientais, para conscientizar a população sobre o uso dos recursos naturais e sua escassez.

Essas ações também podem ser proativas, ou seja, sem depender  da demanda de consumo ou punições governamentais. As empresas que investem em reuso dos recursos conseguem a longo prazo economias significativas no ambiente produtivo. Outro ponto importante, é que uma empresa ambientalmente proativa coloca a gestão ambiental como sua prioridade, criando métricas e colocando tal responsabilidade como parte de seus ganhos. Essas empresas conseguem uma visão e valorização social maior, sem contar que estão livres de possíveis multas. Para aplicar tais estrategias é fundamental que a organização conheça o meio em que está inserida, a comunidade local, as leis de onde está instalada, sem contar em seu publico consumidor e parceiros de trabalho.

São fatores de extrema importância as três óticas seguintes: prevenção de riscos ambientais, reuso dos recursos e destino dos resíduos provocados pela organização. Para isso, as empresas podem recorrer as tecnologias limpas, métodos de reciclagem, estudo de riscos (sobre a produção), gestão eficaz da liberação de efluentes, mudar a formulação de produtos focando na saúde dos consumidores e nos impactos ambientais, sem contar na informação e comunicação interna e externa, buscando conscientizar a todos sobre os benefícios do uso consciente e dos cuidados tomados pela instituição.

E você caro leitor, qual ação ambiental proativa você valoriza nas organizações?

Beijos,

Juliana Torres

 

Compartilhe