Sabemos que gerir uma empresa não é uma tarefa fácil. Isso envolve gerenciamento de recursos humanos, tecnológicos, controle financeiro e inovação de produtos e processos, de maneira a atender o consumidor hoje e satisfazer suas necessidades amanhã.

Para isso as empresas possuem diversas ferramentas que podem ser usadas para manter sua colocação no mercado e até mesmo, levá-las a competir com as grandes marcas. Essas ferramentas fazem uso do principal bem que uma organização pode possuir: o conhecimento.

A gestão do conhecimento é uma ferramenta importante nas organizações, pois muda o foco do investimento e aumenta a capacidade de inovação. Através dela é possível investir mais em capital intelectual do que necessariamente no produto, aumentando dessa forma a valorização do conhecimento da equipe, a interação entre os membros, a sinergia e a capacidade de trabalhar com melhoria continua. Isso significa gerenciar as informações recebidas, interpretadas e produzidas de maneira a trazer benefícios pra organização.
Já a inteligencia competitiva exige uma busca maior de conhecimento, pois envolve não só a gestão interna, mas também o conhecimento do mercado externo, politica, economia e as ações dos concorrentes. Através dela é possível fazer previsões de mercado e manter a produção alinhada com as necessidades do consumidor. Investir nesse ramo significa focar em inovação, seja de produtos ou processos organizacionais.
O ponto comum entre essas estrategias de gestão é a maneira de como a informação será trabalhada. Tanto a gestão do conhecimento quanto a inteligencia competitiva exigem um cuidado maior na coleta, interpretação e disseminação do conteúdo.

É preciso compreender o mercado atual, a situação e colocação da organização mediante esse cenário e prever, a partir daí, quais mudanças serão necessárias para atingir os objetivos e metas daquela empresa.

Isso depende muito das tecnologias usadas em cada ambiente, bem como do perfil do publico consumidor, características de seus fornecedores e investimentos no ramo de pesquisa e desenvolvimento.

A principal questão não são os dados coletados mas sim, como esses dados serão trabalhados. É nesse momento que a gestão do conhecimento se torna uma alavanca para as questões da inteligencia competitiva. O bom uso da informação pode levar a novas oportunidades, bem como mapear futuros riscos de maneira a trabalhar com ações preventivas, corretivas e até mesmo, investir em mudanças na cultura organizacional ou qualquer questão que coloque o sucesso em risco.

Esse tipo de inteligencia nos permite identificar as vulnerabilidades, forças e intenções dos concorrentes, bem como evitar futuras ameaças e aumentar as possibilidades de investimento. Não podemos esquecer que as ações do governo também fazem parte desse planejamento. Leis que envolvam a propriedade privada, impostos e outros fatores de produção impactam diretamente nas ações das instituições, exigem uma analise de mercado e preparação institucional.

Isso serve como auxilio para os gerentes durante os processos de tomada de decisão de curto, médio e longo prazo. Também pode abrir os olhos da empresa sobre as falhas internas, quando comparada a seu concorrente.

Existem softwares que podem auxiliar no processo de coleta desses dados. Um exemplo são as ferramentas de armazenagem da dados: Data Warehouse e CRM, que permitem a extração de relatórios e comparação dos dados para tomada de decisão.

Resumindo: a gestão do conhecimento é quando você usa as informações que possui para gerar vantagens a empresa, como por exemplo: Para desenvolver um produto você busca todas as informações e necessidades que aquele produto precisa ter e aplica isso em seu projeto (cor única, maleável e preço baixo). Quando se aplica a inteligencia competitiva, você avalia e compara seu produto com o de seus concorrentes, podendo dessa forma melhorar seu projeto e obter maior lucro, por exemplo: duas opções de qualidade, mais opções de cores etc. Então, você otimiza seu produto tendo como resultado: um produto de várias cores, de duas qualidades diferentes, maleável entre outras características.

Ao juntar suas informações com de seus concorrentes você abre um espaço para inovação e ideias que até então não foram lançadas. Dessa forma, não dá para pensar em inteligencia competitiva sem agregar uma gestão eficaz das informações.

Juliana Torres

Compartilhe