Você já parou pra observar o quanto a sociedade costuma nos rotular? A necessidade constante que temos de optar por ser isso ou aquilo de maneira a nos moldarmos a um universo inflexível, de valores invertidos que nos impedem de sonhar, soltar nossas asas e viver aquilo que realmente somos? Hoje vamos falar de possibilidades e descobrir que tipo de mulher você realmente é.

Estava passando pela minha timeline do Facebook e vi um pequeno texto que me chamou atenção. Ele dizia que “é muito fácil se relacionar com uma mulher caseira, que não conhece as malandragens, que fica em casa e pode ser traída sem desconfiar…” Você concorda com essa afirmação?
maravilha*Foto by Pinterest.

Confesso que esse texto foi para mim como um tapa na cara, principalmente ao observar milhares de mulheres compartilhando e aplaudindo tal citação. O que me indignou não é o fato de uma mulher independente, que sai para balada e se diverte com suas amigas ser rotulada como a mulher ideal, porque ela também é – isso eu aplaudo de pé. Mas o que me entristeceu é saber que uma mulher de personalidade introvertida, que opte por outros tipos de lazeres, que assista filmes e jogue videogames em pleno século XXl seja taxada de perfil ideal para traição.

Nós mulheres precisamos parar de competir, nenhuma de nós somos modelos para traição e nem temos que nos curvar a padrões para conquistar um parceiro ideal. Quem for homem de verdade para você vai te aceitar da maneira como você é. Quem trai uma pessoa, seja homem ou mulher é responsável pela ação e não a “vítima”. Traição é escolha pessoal.
casalUma mulher tem todo o direito de sair a noite, dançar e conhecer pessoas, mas também tem o direito de optar em ser caseira quando quiser e curtir o lar que ela mesma edifica sem preconceitos, sem ser taxada de “Amélia” ou objeto de traição.

Já passou da hora da sociedade parar de nos fazer escolher de qual lado queremos ficar. Eu sou mulher e amo sair, mas tem dias que quero paz, silêncio e nada além de minha própria companhia. Sou extravagante quando quero e delicada em alguns momentos. Escolho ser esperta alguns dias e inocente em algumas ocasiões. Escolho ser livre, forte quando preciso e frágil algumas vezes. Ser mulher é uma dádiva não importa qual “tipo” você escolheu ser. Somos como a mulher maravilha, de dia uma enfermeira de noite uma guerreira. Seja sua heroína.
poderComo já dizia Cássia Eller “Sou fera, sou bicho, sou anjo e sou mulher. Sou minha mãe e minha filha, minha irmã, minha menina. Mas sou minha, só minha e não de quem quiser…”  Sou quem eu decidir ser, no meu tempo, jeito e humor.

Você pode ser o tipo baladeira, casual, alternativa, geek, introvertida, tímida ou todos esses na mesma mulher. O que realmente espero que escolha é viver sua essência sem medo de ser traída, trocada ou não viver um grande amor. Escolha sua melhor versão em todas suas dimensões, viva suas alternativas e faça a melhor escolha todos os dias: ser feliz por ser você mesma.

**A Amélia citada no texto faz referencia a música de Roberto Carlos.

Beijos coloridos,

Juliana Torres 

Sugestão de leitura: O que os homens querem?

Compartilhe