Se você pretende viajar para o Canadá, viver lá ou já foi, com toda certeza irá se identificar com esse post. Recentemente fiquei duas semanas na cidade de Victória, BC-Canadá e observei alguns costumes e curiosidades que hoje venho compartilhar com vocês. Inicialmente, a primeira sensação é um choque cultural, não apenas pelo idioma, mas a postura em geral da população. Então vamos aos tópicos para entender o que tanto muda com relação ao Brasil.

  1. Pagamentos e compras: Alguns lugares permitem que o próprio cliente efetue a compra do produto, sem caixas ou atendentes. No caso do supermercado, fui visitar o Walmart e lá haviam terminais onde os clientes pesavam as frutas, passavam seus próprios produtos e pagavam com seus cartões (lá também existiam caixas atendendo). Já nos terminais de trem e ônibus o próprio passageiro compra sua passagem, que fica válida para transporte por 90 minutos. Não tem cobradores nos ônibus e os motoristas não recebem nenhum dinheiro das pessoas.
  2. Transporte: Existem poucos táxis lá comparando ao Brasil, também não vi o Uber ser usado por lá. Um dos fortes de Vancouver é o transporte marítimo, seja por balsas, táxis “marítimos” ou o chamado Sea Bus, que nada mais é do que uma balsa rápida, que por dentro parece um ônibus gigante.
  3. Comida: O café da manhã lembra o estilo americano, porém, eles usam o molho canadense chamado Maple Syrup em quase tudo, feito com as folhas da famosa árvore-simbolo do país, Acer. O Almoço é bem diferente do brasileiro, envolve massas, lanches e saladas. A única refeição que se assemelha com a nossa é a “janta” que costuma ser servida em torno das 17 horas. Um detalhe importante é sobre o café: para quem ama o famoso café brasileiro, pode confundir o café canadense com chá (por experiencia própria) – é bem mais suave. Açúcar e condimentos também são usados de maneira diferente. Os doces são muito suaves comparados ao Brasil, e os temperos que mais se destacam são mais azedos, como vinagre e limão, ou picantes.
  4. Educação: Esse é um tópico difícil de falar, pois é impossível fazer comparações entre um país de primeiro mundo e o Brasil – entendo que nossa educação está comprometida desde a questão cultural/social e econômica. Por isso não vou fazer comparações aqui, apenas esboçar alguns pontos que achei muito diferentes com nossos costumes.
    » “Thank you” ao sair das conduções: Chega a ser engraçado, mas é costume sempre agradecer o motorista do ônibus ao sair – mesmo que ele não escute. Amei! Isso mostrou o respeito que o profissional recebe.
    » Crianças: É espantoso o comportamento das crianças. Me deparei com inúmeras enquanto estive lá e não vi nenhuma, em momento algum, desacatando os pais, se jogando no chão, ou falando “dois, três” quando os pais diziam “um”. Outro ponto (que amei), é a maturidade na fala. É normal aqui no Brasil as crianças usarem vozes de bebê, mesmo depois de maiores, lá não. Crianças de três anos pronunciam as palavras de maneira perfeita, sem tentar inferiorizar a idade que possuem.
    » Cada um com a sua vida: Me deu vontade de cancelar o voo de volta quando me dei conta que há dias ninguém me media na rua, olhava meu sapato ou fazia “caras e bocas” pro look que eu usava. Foi quando me dei conta e passei a reparar que: ninguém ta nem ai se você veste Calvin Klein ou jeans sei lá de onde! As pessoas simplesmente cuidam da própria vida.
    » Ajudar o próximo: Apesar das pessoas cuidarem apenas de si, quando se trata de ajudar/orientar o próximo os canadenses são extremamente generosos. Desde o dia que cheguei ao país até o embarque de retorno, sempre apareceram pessoas ao ver minha cara e do Paulo de perdidos para nos auxiliar. Era espontâneo, e também admirável.
    *Foto de uma escola em Victória.
  5. Segurança e preconceito: Não da pra finalizar o post sem falar de segurança e preconceito. No primeiro dia que estive lá, estava no shopping quando avistei uma mulher deixando a carteira dela aberta em cima do balcão enquanto olhava alguns produtos, e adivinhem? Ninguém mexeu! Nem se quer olharam pra carteira. Eu imaginei ai, que eu estava sonhando… Isso se repetiu numa segunda loja que visitei em Vancouver.
    Quando pegamos nossa primeira balsa, uma senhora pediu ao meu marido que cuidasse da bolsa dela com carteira, documentos e etc, enquanto ela ia ao banheiro. Acho que já deu pra entender, né?
    Falando de preconceito: chineses, japoneses, indianos, canadenses, brasileiros etc. Todos convivendo no mesmo local. Em resumo, chorei no voo de volta! Não porque não amo nosso país ou brasileiros, mas pela tristeza que é ver uma nação tão incrível como a nossa vivendo com tão pouco, se acostumando com o sofrimento e tendo a felicidade podada dia após dia.

Em resumo, é outro tipo de cultura, completamente diferente da nossa. Tudo muda, desde a economia, classes sociais etc. Espero que tenham gostado, qualquer pergunta deixem nos comentários.

Beijos coloridos,

Juliana Torres 

 

Compartilhe