Olá noivinhas,

Hoje vamos conversar sobre a história das alianças, como tudo começou e seu real significado.

Para ver os temas anteriores clique AQUI.

Tudo começou a aproximadamente 5 mil anos a.c. quando os hindus e egípcios criaram um circulo de ferro que representaria a união entre um homem e uma mulher num amor infinito, um circulo sem fim. O metal representaria o amor continuo entre o casal, cercado de fidelidade e cumplicidade.

O uso no dedo anelar da mão esquerda é devido a uma veia que passa entre esse dedo e o coração, mantendo os corações atraídos uns pelos outros.

A origem da palavra vem de elo (acordo) entre duas partes. Significando para o casamento uma ligação material e espiritual. Tornando duas pessoas um só compromisso, uma só comunhão. Um elo infinito até que a morte separe os corpos e o amor eternize as almas.

Beijos coloridos e até segunda-feira que vem!

Juliana Torres 

Compartilhe

Olá noivinhas,

Hoje vamos falar sobre véu de noiva. Casar de véu: sim ou não?

Para ver os temas anteriores clique AQUI.

O véu está presente em diversas culturas desde os tempos mais remotos. Em sua maioria, ele carrega o simbolo da honra, proteção e valor da mulher. Hoje em dia, também é usado como um lindo acessório para compor o look da noiva.
Antigamente, ele era usado para simbolizar a castidade e pureza da mulher. Não era “correto” uma virgem se expor. Na Grécia, ele também era simbolo de sorte e proteção, contra mau-olhado, espíritos ruins e para afastar outros pretendentes. Na idade média, ele era usado pela nobreza como símbolo de riqueza – quanto maior o véu, maior seria o dote pago ao noivo pela noiva. No Judaísmo, ele era usado para ocultar do noivo a beleza da mulher; Dessa forma ele se casaria pelo caráter que ela possuía.

Hoje ele representa a fidelidade e transição da vida de solteira para a vida de mulher casada. A escolha do tamanho do véu é opcional, mas de maneira geral, recomenda-se os véus mais curtos para o dia, médios para a tarde e longos para noite.

Existem diversos formatos e modelos de véu para acompanhar tendências e gostos pessoais. As noivas também tem a opção das mantilhas (que passam de geração em geração), as grinaldas entre outros acessórios para arrasarem no grande dia. E aí noivinha, qual vai ser a sua escolha?

Beijos coloridos e até segunda-feira que vem!

Juliana Torres 

Compartilhe

Olá noivinhas,

Vamos ao quarto tema do #Diáriodeumanoiva. Dessa vez vamos falar sobre a cerimônia civil, os documentos necessários e quais opções o casal tem para esse dia especial.  Para acompanhar os temas anteriores clique AQUI.

Sabe-se que existem diversos contratos de casamento para decidir como será efetuada a administração dos bens do casal, assim como, diferentes possibilidades para efetuar a cerimônia. Vamos discutir abaixo cada uma dessas situações:

Tipos de regimes de bens: O casal deve escolher como desejam ou não compartilhar suas posses, exceto nas idades abaixo de 16 e maiores de 60. Para essas, usa-se por lei obrigatoriamente o regime de separação total de bens.

  • Comunhão parcial de bens: Apenas os bens adquiridos após o casamento pertencem aos dois. Herança e tudo o que pertencer a pessoa antes do contrato fica como bem individual.
  • Comunhão universal de bens: Tudo de um, pertence aos dois. Heranças, imóveis e qualquer outro bem adquirido antes e depois do casamento são de ambos.
  • Separação total de bens: Nenhum bem é compartilhado. A posse do bem é sempre individual, seja adquirido antes ou depois da cerimonia.
  • Participação final nos aquestos: Funciona igual a separação total de bens, o que muda é no caso de óbito ou divorcio. Para esses casos, os bens adquiridos durante o matrimonio são divididos de forma igualitária entre o casal.

Caso os noivos desejem alterar o contrato após o casamento, também é possível. Desde que seja perante o juiz, com um alvará e em comunhão de ambos.

Após decidir o regime de bens, é hora de pensar onde será realizada a cerimônia: cartório ou levar o juiz ao local do evento. Para isso, os noivos devem dar entrada na habilitação do casamento – Processo onde será comprovado que ambos são livres para se casarem.

O casal deve ir a um cartório de registro civil mais próximo, portando o RG e a certidão de nascimento para o processo de averiguação.  Assim que comprovado a aptidão do casal, eles devem informar o regime de bens escolhido, assim como, aonde será realizado o evento. Caso seja necessário a locomoção do Juiz, os noivos devem efetuar o pagamento de uma taxa que varia de cartório e região. Sendo feito isso, agenda-se a data, escolhem-se duas testemunhas e felicidades aos noivos.

Dica de hoje: Faça tudo com antecedência (pelo menos 30 dias).

Beijos coloridos e até segunda-feira que vem!

Juliana Torres 

Compartilhe

Olá noivinhas,

Na semana passada nós conversamos sobre histórias de amor e como cada começo define a essência do casal (Post 1: Veja AQUI.). Hoje vamos falar sobre os padrinhos de casamento, como escolhe-los e o compromisso deles para com o casal.

Ser padrinho/madrinha é uma verdadeira honra. Eles são as pessoas escolhidas pelos noivos para apoiá-los e aconselhá-los em todas as fases da vida, além de participarem ativamente dos preparativos do casamento. São responsáveis em auxiliarem o casal à transformar o evento em um dia inesquecível.

Devem ser escolhidos pelo nível de amizade, confiança e pelos elos afetivos que podem ser ou não laços de sangue.

Também possuem algumas responsabilidades, como: Presentear os noivos com algo significativo; Aconselharem o casal na vida conjugal; Pontualidade nos eventos; Ajudarem/organizarem os chás de panela/bar e despedidas de solteiro; Acalmarem, auxiliarem os noivos e acompanharem de perto cada etapa do evento.

Um ponto importante a levantar é que os padrinhos podem ser divididos entre civil e cerimonial. No civil é necessário apenas duas pessoas para assinarem, já a cerimonia fica a critério dos noivos.

O casal também pode escolher padronizar a roupa dos padrinhos, seja com peças iguais ou apenas pela cor, combinando o vestido das madrinhas com as gravatas dos padrinhos.

Enquanto aos noivos, a responsabilidade deles para com os padrinhos é mantê-los sempre por dentro das fases que passarem, informá-los das programações para o grande dia para trabalharem como uma equipe.

Dica de hoje: Defina seus padrinhos no inicio da preparação do seu evento. Informe a eles seus planos. Faça reuniões entre eles para que possam te auxiliar nas principais decisões. Várias cabeças planejam melhor do que duas.

Beijos coloridos e até segunda-feira que vem!

Juliana Torres 

Compartilhe

Olá Almas Coloridas,

Hoje vamos estrear aqui no blog um quadro novo: Diário de uma noiva. A gente sabe que quando se ouve a palavra “Casamento” os olhos brilham e o coração começa a acelerar. A verdade é que essa é uma das fases mais lindas e encantadoras da vida de cada membro participante, porem, é nesse estágio do relacionamento que o casal se enche de dúvidas, preocupações e precisam de todo o apoio possível. Pensando nisso, resolvi abrir esse espaço para noivas, madrinhas e todos que desejarem compartilhar experiências e sugestões, além de darem dicas e transformar essa transição das solteiras para futuras mulheres casadas, em algo ainda mais marcante e especial.

Nosso ponto de encontro serão todas as segundas-feiras às 19. Para receber os posts por e-mail basta clicar na barra preta na lateral esquerda e preencher seus dados, assim você receberá automaticamente todas as atualizações postadas aqui no Alma Colorida.

A TAG escolhida é #Diariodeumanoiva. Postem suas fotos, idéias e preparativos para incentivar outros casais. Na página do Facebook estarei postando inspirações semanais. Curtam, compartilhem e interajam à vontade, esse espaço é para vocês. Reserve sua agenda, amiga, porque temos uma festa linda pra preparar!

Como abertura do nosso quadro, hoje vamos falar do início: Como tudo começou.

Sabemos que a história de um casal define sua trajetória e são os detalhes de cada momento que torna o outro alguém único no meio de milhões de pessoas. Portanto, não dá para pensar no grande dia sem compartilhar a essência que une o casal.

Dica de hoje: exale a essência do seu amor.
Para dar o start vou resumir a minha história de amor: “Éramos como cão e gato, gato e rato…. E quem disse que quem vive dos defeitos não pode esbarrar na felicidade? A necessidade nos levou a unir forças, até que um belo dia fomos obrigados a enxergar qualidades na pessoa que não suportávamos encarar. A intolerância virou desafio e o tempo foi capaz de transformar tudo. Viramos colegas, parceiros, amigos, paquera… E quando vimos já era amor.”
Minha história mostra que pra dar certo só precisa estar junto, ser parceiro e fazer acontecer. Assim, definimos que nossa base era parceria e verdade, até que a morte separe nossos corpos e eternize o amor das nossas almas.
Para ver a história completa clique AQUI.
E você, compartilhe aqui: qual a sua história de amor?

Beijos coloridos e até segunda-feira que vem!

Juliana Torres 

 

Compartilhe
Ir para o TOPO
Receba novidades por E-mail!
Unicórnio Fofinho